MEUS NETOS

MEUS NETOS
RAZÃO DO MEU VIVER

sábado, 2 de janeiro de 2010

linda poesia...



Eu sou como a garça tristeQue mora à beira do rio,As orvalhadas da noiteMe fazem tremer de frio.Me fazem tremer de frioComo os juncos da lagoa;Feliz da araponga erranteQue é livre, que livre voa.Que é livre, que livre voaPara as bandas do seu ninho,E nas braúnas à tardeCanta longe do caminho.Canta longe do caminho.Por onde o vaqueiro trilha,Se quer descansar as asasTem a palmeira, a baunilha.Tem a palmeira, a baunilha,Tem o brejo, a lavadeira,Tem as campinas, as flores,Tem a relva, a trepadeira,Tem a relva, a trepadeira,Todas têm os seus amores,Eu não tenho mãe nem filhos,Nem irmão, nem lar, nem flores.Castro Alves, Tragédia no Lar.

obs: amo esse poema de paixão.

4 comentários:

  1. Denise um lindo 2010 para você amiga tudo de bom. É triste o poema mas de Castro Alves eu concordo com você que o ama de paixão.

    ResponderExcluir
  2. Denise!
    Muito lindo o teu post!
    Bjkas, minha amiga!

    ResponderExcluir
  3. agradeço ao senhor Antonio Campos e a Sonia Silvino pelo carinho e também pela visita constante ao meu blog.
    sejam sempre bem vindos.
    um forte abraço....Denise.

    ResponderExcluir
  4. Bom dia.
    Lindo o seu blog.
    Adorei o poema de Castro Alves... meu pai gostava de declamar poesias dele e de Rui Barbosa.
    Um abraço.

    ResponderExcluir